EVENTOS

“OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NEGAM A PRESENÇA SIGNIFICATIVA DO NEGRO, DESDE AS PRÁTICAS SOCIAIS AO ÂMBITO POLÍTICO”. Diz o jornalista e Escritor Edson Cardoso.


A jornalista e escritora Suzana Varjão declara que “A coisa tá preta na Facom, mas continua branca na mídia”

 

A COISA TÁ PRETA NA FACOM!

Evento reúne na tarde de 21/03/2017  “Tia Má”, Suzana Varjão, Edson Cardoso, Sueide Kintê e MC Beijinho para debater mídia e racismo nos 20 anos de criação do Etnomídia- Grupo de Estudos em Mídia e Etnicidades-UFBA

Reunindo quatro “feras” do jornalismo e da pesquisa em comunicação, além de um recente fenômeno midiático da música local, o Etnomídia promove duas mesas de debates sobre mídia e relações raciais na terça-feira, 21 de março 2017, a partir das 14h no auditório da Faculdade de Comunicação (Facom) da UFBA – Universidade Federal da Bahia, campus de Ondina, em Salvador, Bahia.

As jornalistas Maíra Azevedo, bem-sucedida nas redes sociais com a personagem “Tia Má”, Suzana Varjão, até recentemente coordenadora em Brasília da ANDI Comunicação e Direitos – Agência Nacional dos Direitos da Infância e Juventude, ex-editora do Caderno 2 de jornal A Tarde, e Sueide Kintêexpert em mídias sociais e coordenadora da campanha “Mais Amor Entre Nós” falarão de suas visões sobre o tema, como profissionais negras atuantes no mercado.

O pesquisador e jornalista Edson Cardoso, por quatro anos assessor especial da ex-ministra da Seppir Luiza Bairros, é também um dos convidados da atividade. Que terá ainda a participação de MC Beijinho, que “estourou” neste Verão com uma música surpreendentemente depois de ser detido pela polícia e, ainda dentro do camburão, filmado pelas câmeras de uma TV local, sacou uma música que disputou como a melhor do último Carnaval baiano.

Aberta ao público em geral, a atividade é gratuita e marca os 20 anos do Etnomídia, que foi criado na Facom em 1997. Por iniciativa de Fernando Conceição, à época professor substituto, trata-se do primeiro grupo de estudos e pesquisas em mídia e relações étnico-raciais a oficialmente funcionar numa academia brasileira.

O evento ocorre na tarde do Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial, instituído pelas Nações Unidas em memória das vítimas do massacre de Sharpeville, África do Sul, ocorrido em 1960.

Não são necessárias inscrições prévias para participar dos debates, limitado o acesso de acordo com a capacidade do auditório da Facom. A atividade conta com o apoio do Afirme-se – Centro de Práticas e de Estudos de Diversidades Culturais e da Assufba – Sindicato dos Técnico-Administrativos da UFBA.

Mais informações podem ser obtidas com a Equipe Organizadora, pelos emails mavessilva@gmail.com (Miria Cachoeira) e anamgualberto@gmail.com (Ana Gualberto).

 

Pesquisa "Mercado de Trabalho de Comunicação e Políticas de ação afirmativa"